DEIXE SEU RECADO PARA O EDITOR

domingo, 15 de janeiro de 2012

APOSTILA DE EVANGELISMO PESSOAL



APOSTILA DE EVANGELISMO PESSOAL

Í N D I C E


PRIMEIRA PARTE

1.          INTRODUÇÃO .......................................................... 02
1.1   O EVANGELISMO PÓS-MODERNO   ..................... 02
1.2   AÇÃO EVANGELÍSTICA DO SENHOR JESUS ...... 03
1.3   IDÉIAS ERRÔNEAS SOBRE EVANGELISMO ........ 03
1.4   O ÊXITO NO EVANGELISMO  ................................ 04
1.5   COMO PRINCIPIAR A CONVERSÃO .................... 06

SEGUNDA PARTE
2.          O EVANGELISMO PESSOAL ....................................07
2.1   O PECADO .................................................................07
2.2   A SALVAÇÃO .............................................................08

TERCEIRA PARTE

3.          O EVANGELISMO COMPLETO ...............................08
3.1   CONHECIMENTO PESSOAL DE CRISTO ..............08
3.2   VIDA VITORIOSA EM CRISTO .............................. 08
3.3   VIDA TRANSFORMADA ......................................... 08
3.4   CONHECIMENTO DA PALAVRA ............................08
3.5   BIBLIOGRAFIA  .........................................................09



INTRODUÇÃO


Devido à evangelização ser uma ordem direta de Jesus, é importante para o crente salvo tomar como uma tarefa a ser cumprida. Na Igreja primitiva todos os crentes tinham o desejo ardente de anunciar o Evangelho, tinham o amor de Deus em seus corações pelas almas perdidas. (At 4. 31 - E, tendo eles orado, moveu-se o lugar em que estavam reunidos; e todos foram cheios do Espírito Santo e anunciavam com ousadia a palavra de Deus.)
As perseguições do dia a dia não tiravam o ânimo deles, mas confiando na mensagem de Jesus (Jo 16. 33 -  Tenho-vos dito isso, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições; mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.), cada vez mais se enchiam do poder de Deus para continuarem o trabalho, pois eles haviam visto e ouvido tudo o que fora realizado pelo querido Mestre, portanto, não podiam parar. (At 4.20 - porque não podemos deixar de falar do que temos visto e ouvido.)
Todo aquele que tiver esta chamada, deve estar convicto de uma salvação completa; certo do poder que Jesus tem para salvar ainda hoje; pregar aquilo que enche o seu interior e cair na graça do povo, para que o Senhor acrescente a cada dia aqueles que deverão ser salvos. (At. 2. 47 - louvando a Deus e caindo na graça de todo o povo. E todos os dia acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar.)


O EVANGELISMO PÓS-MODERNO

Atualmente há dificuldades no avanço do evangelismo devido ao esfriamento do primeiro amor e avanço da apostasia; mas isto para os salvos em Cristo não é novidade, pois esperamos a vinda gloriosa do Senhor Jesus Cristo. Quanto mais se aproxima este dia, o Diabo – nosso adversário – se levanta contra os escolhidos de Deus, e sua arma mais poderosa tem um alvo: destruir as bases do evangelho puro. Ele está usando homens e mulheres, sábios ou leigos com um falso ensino, fazendo afastar aqueles que se aproximam de Deus. Mas sabemos que as bases do evangelho puro estão em Cristo, a Pedra Viva (Mt. 16. 18 = Pois também eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; 1 Pe 2. 4 = E, chegando-vos para ele, a pedra viva, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa).
      No evangelismo pessoal, o evangelista deve ter certeza da eficácia do seu trabalho. O Evangelho é o poder de Deus (Rm 1.16 = Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu e também do grego.); seu trabalho agrada a Deus  (Rm 10. 15 = E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam a paz, dos que anunciam coisas boas!). Deus contempla quando a humanidade se prostitui, se entrega aos vícios e roubo. Cabe a pergunta: Mas Ele não vai solucionar estes problemas? Não. Deus deixou a Igreja de Jesus Cristo incumbida de entregar a mensagem da salvação.
A humanidade está nas mãos da Igreja. Ah, se as igrejas se conscientizassem da sua participação no plano da salvação.
1) O mundo está inquieto, mas Deus responde (Fp 4. 6 = Não estejais inquietos por coisa alguma; antes, as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus, pela oração e súplicas, com ação de graças;     Mt 6. 25; ver Hb 10. 38 = Mas o justo viverá da fé; e, se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele.)
2) Devemos ajudar a alguém (Pv 24. 11 = Livra os que estão destinados à morte e salva os que são levados para a matança, se os puderes retirar.; ver Is. 55. 7 = Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos e se converta ao Senhor, que se compadecerá dele; torne para o  nosso Deus, porque grandioso é em perdoar.).        
        3) Devemos transmitir o que temos recebido de Deus (At. 1. 8 = Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra).
        4) Devemos ter convicção daquilo que pregamos (Is. 55. 11 e 12 = assim será a palavra que sair da minha boca: ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz e prosperará naquilo para que a enviei. Porque, com alegria, saireis e, em paz, sereis guiados; os montes e os outeiros exclamarão de prazer perante a vossa face, e todas as árvores do campo baterão palmas.)
Obs.: Vamos encher nossas mãos, sairmos às ruas, praças, e de casa em casa, levando a mensagem poderosa e salvadora do Evangelho de Cristo. Naquele dio o Senhor da Seara dará a cada um, a sua recompensa (1 Co 3. 8 = Ora, o que planta e o que rega são um; mas cada um receberá o seu galardão, segundo o seu trabalho;  Ap 22. 12 = E eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo para dar a cada um segundo a sua obra).

AÇÃO EVANGELÍSTICA DO SENHOR JESUS

        Para realizar a salvação planejada pelo Pai, Jesus ocupou-se em intenso treinamento de seus discípulos. A eles caberia o trabalho de levar adiante o Evangelho. Para alcançar o seu objetivo evangelístico, Jesus:
        1) Selecionou os elementos para o trabalho – “escolheu doze dentre eles” (Lc 6. 13 = E, quando já era dia, chamou a si os seus discípulos, e escolheu doze deles, a quem também deu o nome de apóstolos);
        2) Associou-se com eles – “designou doze para estarem com ele” (Mc 3. 14 = E nomeou doze para que estivessem com ele e os mandasse a pregar)
        3) Exigiu deles a consagração – “tomai sobre vós o meu julgo” (Mt 11. 29 = Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para a vossa alma.);
        4) Transmitiu a eles o seu poder como condição e credencial – “receberei o Espírito Santo” (Jo 20. 22 = E, havendo dito isso, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo.);
        5) Demonstrou como deveriam proceder – “eu vos dei o exemplo” (Jo 13. 15 = Porque eu vos dei exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também.);
        6) Delegou autoridade e distribuiu o trabalho entre eles – “eu vos farei pescadores de homens” (Mt. 4. 19 = E disse-lhes: Vinde após mim, e eu vos farei pescadores de homens.);
        7) Esperou que eles se multiplicassem – “para que vades e deis frutos” (Jo 15. 16 = Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça, a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai ele vos conceda.)
        8) Supervisionou pessoalmente o trabalho deles – “ainda não considerastes, nem compreendestes?” (Mc. 8. 17 = E Jesus, conhecendo isso, disse-lhes: Para que arrazoais, não terdes pão? Não considerastes, nem entendeis ainda? Tendes ainda a vosso coração endurecido?)
CONCLUSÃO: O trabalho de evangelismo compõe-se de: Seleção, Associação, Consagração, Transmissão, Demonstração, Delegação, Reprodução e Supervisão.     


IDÉIAS ERRÔNEAS SOBRE O EVANGELISMO

► O EVANGELHO SOCIAL
        Aconselha ação definida e resoluta na solução dos problemas políticos, econômico e sociais, deixando em plano secundário os interesses espirituais de cada indivíduo. O seu apelo é por um mundo socialmente melhor e não por um mundo redimido pelo sacrifício da cruz. Afirma que agora cabe fazer trabalho educacional e filantrópico, pois a mensagem social é mais oportuna que a mensagem propriamente evangelística.
        O evangelho social afirma que o homem é produto do meio e tem o objetivo utópico (fantasia) de estabelecer o reino de Deus entre os homens pela transformação do ambiente, por meio da ação social do Evangelho.
        1) O evangelho social é uma degradação do verdadeiro Evangelho porque:
                a) Anula o sangue de Cristo;
                b) Contradiz o arrependimento;
                c) É apenas terrenal.

        2) O evangelho social contradiz a Escatologia:
                a) A bíblia diz que  mundo será destruído por pestes, fome e guerra;
                b) O evangelho social espera um mundo com um fim glorioso por meio da ação social da Igreja.

        3) O evangelho social contradiz a Harmatiologia (doutrina do pecado);
                a) O evangelho social afirma que o mal que aflige o homem cessará com a mudança do meio;
                b) A bíblia afirma que o grande mal que oprime as nações é o pecado e que é no coração do homem que ele nasce.
 ► O EVANGELHO ECUMÊNICO
        Tenta estabelecer ao mundo uma nova ordem religiosa e social, pela união de todos os credos religiosos: protestantes, católicos romanos, ortodoxos, orientais, judaísmo, islamismo, budismo, etc, pensando em implantar assim o reino de Deus na terra. O Concílio Mundial das Igrejas é o seu grande defensor.
        Nascido em Amsterdã em 1948 o C.M.I. incluem em seu rol Igrejas protestantes, modernistas em geral e quase todos os romanos das Igrejas Católicas Ortodoxas Orientais. Está empregando todas as forças para efetuar um retorno às trevas de Roma.
        O alvo do C.M.I. é uma Igreja Mundial Única, na qual todas as igrejas da terra – Protestantes, Católicos Romanos e Ortodoxos e, finalmente, todas as religiões do mundo, venham a fundir-se. Em sua divulgação citam sempre João 17. 21, 22 “para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim, e eu, em ti; que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste. E eu dei-lhes a glória que a mim me deste, para que sejam um, como nós somos um.              

► O PROSELITISMO
        Os adeptos desta filosofia de evangelismo crêem que “evangelismo” é aumentar o número de membros, fazer crescer a denominação, não importando os meios que se empreguem para alcançar o seu objetivo. Evangelismo para eles não é apenas ganhar pecadores para Cristo; também ganhar membros de outras igrejas.
        O Proselitismo aplica à visitação e convites às pessoas crentes visando tirá-las de suas denominações. Geralmente mostra e aumenta as falhas das outras igrejas, realçando o que há de bom na sua.     
O ÊXITO NO EVANGELISMO

        Ser evangelista é como disse certo pregador: “É viver como se Cristo tivesse morrido ontem, ressuscitado hoje e voltasse amanhã”. Isto significa que nossa vida deve estar em perfeita comunhão com Cristo e que devemos estar inteiramente integrados na obra de Deus. Deixe que o evangelismo domine todas as áreas de sua vida.

SUA VIDA PESSOAL
        Para ser um autêntico evangelista, você deve andar de acordo com o modelo bíblico, pois quando for falar aos pecadores, sua vida não entrará em contradição com suas palavras. Portanto, o evangelista deve ser:    
        ● Uma nova criatura (Jo 3. 5);
        ● Um verdadeiro crente (At 9. 15);
        ● Um cristão de vida exemplar (At 3. 4; 1 Pe 2. 12);
        ● Uma pessoa agradável e cheia de simpatia (1 Co 9. 19);
        ● Ser cheio do Espírito Santo (At 1. 8; 2. 4; 4. 8).

SUA VIDA INTELECTUAL
        O evangelista é uma pessoa que está a par dos problemas dos homens, e não só isso: ele tem a resposta certa para o momento certo. Portanto, ele deve:
        ● Manejar bem a Palavra de Deus (2 Tm 2. 15; At 7. 2-53);
        ● Conhecer os homens e suas desculpas (Jo 4. 16-18);
        ● Conhecer as seitas, religiões mais comuns;
        ● Saber o que se passa no mundo.

ü  Desculpas do ser humano:
        ● Não faço mal a ninguém:
           Resposta: Rm 3. 23; Is 64. 6; Tg 2. 10; Mc 16. 16; Lc 16. 15; Jo 3. 3-6;
        ● Procuro ser cristão:
           Reposta: At 10. 1-6; Mt 16. 24; Ef 2. 8;
        ● Não posso deixar tudo:
           Resposta: Mc 8. 36, 37; Sl 16. 11; 1 Co 2. 9; Lc 18. 29, 30;
        ● Tenho medo de fracassar:
           Resposta: Sl 37. 28; Rm 14. 4; Jo 10. 28, 29; 2 Co 12. 9;
        ● Não posso entender:
           Resposta: 1 Co 2. 14; Rm 11. 33; 1 Co 1. 18.

SUA VIDA ESPIRITUAL
        O evangelista não pode esquecer, no seu ministério, que o evangelismo é uma obra de caráter espiritual. Paulo disse: “porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas” (Ef 6. 12). Ele deixou bem claro o que o evangelista deve fazer:
        ● Deve orar com fervor (At 3. 1; 4. 31; 10. 9);
        ● Deve ler a Bíblia (Hb 4. 12);
        ● Deve meditar na sua missão – Ter o desejo de ver as almas salvas (1 Tm 4. 15);
        ● Deve ir à casa de Deus (At 3. 1; Sl 122. 1).

SEU CAMPO DE AÇÃO
        Não podemos conceber a idéia de um evangelista fechado entre quatro paredes. Se quisermos evangelizar, teremos que deixar o nosso comodismo, o conforto do nosso púlpito e ir até aos pecadores onde eles estão. Desta forma estaremos alargando o nosso campo de ação.
        ● A família;
        ● No trabalho (oficina, fábrica, escritório...);
        ● Nas escolas (principalmente noturnas...);
        ● Os profissionais (advogados, juízes, médicos...);
        ● Os comerciantes (padaria, açougue...);     
        ● Nos meios de transporte (ônibus, trem...);
        ● As crianças;
        ● Os amigos:
        ● As entidades (hospital, presídio, creches...).

Amplie o lugar de sua tenda, estejam atentos às perguntas de seus filhos, eles precisam de sua ajuda e compreensão, eles precisam do seu tempo e muito carinho. Olhai para o rebanho sem se esquecer dos de tua casa, a família unida em oração e meditação vence todas as batalhas.

DETERMINAÇÃO (Jo 1. 35-46)
        É o momento em que o crente coloca a mão no arado para evangelizar. Ele sente a necessidade em dar testemunho de Cristo a alguém. É o momento em que ele permite que a Palavra de Deus se cumpra em sua vida. Ele abre o coração para o “Ide de Cristo” (Mc 16. 15). Muitas vezes ele não tem nenhum cargo eclesiástico, mas se apossa da identidade divina e da autoridade divina, como dada a Moisés em Êxodo 3. 14; 4. 16, e avança em busca das almas.
Determinação é: “e salvai alguns, arrebatando-os do fogo” (Jd 23; Pv 24. 11).
PERSISTÊNCIA (Jo 4. 1-30)
        O verdadeiro evangelista não desanimará diante da primeira dificuldade que aparecer. A sua posição diante de Deus é esta: “Não desistirei enquanto não ver almas rendendo-se aos teus pés Senhor!”. No seu ouvido é nítida a voz “A Palavra de Deus não volta vazia” (Is 55. 11). Sim, ela não volta vazia mesmo.
        ● Quando a pessoa não se converte;
        ● Quando a pessoa acha que para ela não há solução;
        ● Quando a pessoa o agride.

COMPAIXÃO (Mt 23. 37; 14. 14)
        ● O exemplo de Cristo (Mt 15. 32; 20. 34; Hb 2. 17);
        ● Exortação a termos compaixão (Mt 18. 24; Rm 12. 15).

DEPENDÊNCIA DO ESPÍRITO SANTO
        Perguntaram a um homem importante qual o segredo do seu sucesso. Respondeu: “Eu tive um amigo”, e, deixou bem claro para todos que, sem a ajuda daquele amigo sua vida teria sido um fracasso total. Ele o ajudara nas horas difíceis e o apoiara.
Aquele amigo o amava, tinha fé nele e fizera com que sua vida tivesse valor. Nós temos um Amigo deste quilate! É o Espírito Santo, o amigo prometido por Jesus para realizar a Sua obra.
ü  É Ele quem:
        ● Testifica de Cristo (Jo 15. 26);
        ● Convence o Mundo (Jo 16. 8);
        ● Nos guia (Jo 16. 30);
        ● Nos ensina e faz lembrar (Jo 14. 26);
        ● É o nosso “dinamus” (poder).


ORAÇÃO (1 Ts 5. 17)

ü  A Oração é a chave da vitória:
    Para que:
        ● Deus nos mostre com quem falar;
        ● Deus nos guie no que falar;
        ● As nossas palavras se tornem poderosas.


COMO PRINCIPIAR A CONVERSAÇÃO


ü  Por meio de uma pergunta:
        ● “O(a) Senhor(a) é crente?” – Desperta curiosidade;
        ● “O(a) Senhor(a) é feliz?” – Desperta um desejo;
      ● “O(a) Senhor(a) já ouviu falar de Cristo?” – Desperta uma necessidade.
               
ü  Por um assunto comum – Água (Jo 4. 13);
        ● “A morte de um artista conhecido”;
        ● “Uma catástrofe”;
        ● O conflito mundial”;
        ● Os vícios, drogas, prostituição, etc”.

ü  Por meio de uma literatura (At 8. 27-31);
        ● “Folheto”;
        ● “Curso Bíblico”;
        ● “Jornal ou revista evangélica”.

ü  Atitudes negativas na conversação
        ● Não ter pressa – a pressa é inimiga da perfeição;
        ● Evitar a polêmica – Deus não é Deus de confusão;
        ● Nunca ofender a pessoa – Não queremos tirá-lo de uma religião, mas do pecado.

ü  Atitudes positivas na conversação
        ● Educação – “com licença”, “por favor”, “obrigado”, “não há de que”, “pois não”;
        ● Sorriso – transmite amizade e convicção de suas opiniões;
       ● Respeito – coloca o evangelista em pleno campo de ação, sem nenhum problema, principalmente quando a pessoa for do sexo oposto;
        ● Atenção – as suas respostas e gestos dependerão da reação do seu evangelizado;
        ● Partir do conhecido para o desconhecido – não usar palavras desconhecidas. Trabalho dentro da concepção do evangelizado no que diz respeito a: Deus, Espírito Santo, Salvação;
        ● Contar a sua experiência com Cristo;
        ● Orar com a pessoa, mesmo que ela não queira aceitar a Cristo.

O EVANGELISMO PESSOAL
        O Evangelismo Pessoal se completa no Coletivo; não devem ser separados, pois os dois fazem o evangelismo completo. Aqui enfatizaremos o Evangelismo Pessoal, e veremos que é dever de cada crente salvo ser um evangelista pessoal.
        Sempre devemos dar aquilo que recebemos (Mt 10. 8), pois o ganhador de almas é sábio (Pv 11. 30).
        O único meio de muita gente ouvir a verdade salvadora é através do Evangelismo Pessoal.    Verdades concernentes à vida espiritual que levarão o pecador a tomar uma decisão e levar muitos crentes a um novo encontro com Deus. Para uma decisão ao lado de Cristo e uma renovação de vida, devemos permitir que o evangelismo opere pelo poder do Espírito Santo.      
        Quando assim acontece, Ele convence o pecador do seu pecado.
        Muitos vivem no pecado, por não conhecerem sua força e sua destruição. Este mal está no meio da sociedade, e a Igreja terá que dar o alarme deste malefício chamado pecado. Veremos agora algumas características do Evangelismo Pessoal.

EXPÕE O PECADO
  
ü  O que é pecado?
        ● É a falta de comunhão com Deus (1 Jo 1. 3, 6);
        ● É estar destituído da glória de Deus (Rm 3. 23);
        ● É declínio espiritual (Gl 3. 3);
        ● É não fazer a vontade de Deus (Sl 143. 10; Mt 6. 10);
        ● É blasfêmia ao Espírito Santo (Mt 12. 31);

O QUE FAZER PARA SER SALVO (AT 16. 31)
        Somente o evangelismo mostra a direção certa para se chegar à salvação. É interessante notarmos que a salvação não vem pelas boas obras (Ef 2. 8, 9), nem por pertencer a uma Igreja (denominação).
ü  O evangelismo orienta o pecador no seguintes assuntos:
        ● Arrepender-se (Ez 18. 31; Is 55. 7);
        ● Crer em Jesus Cristo (At 16. 31; Rm 10. 9, 10; Jo 5. 24);
        ● Confessar (1 Jo 1. 9; Rm 10. 9, 10);
        ● Entregar a vida a Cristo (Jo 1. 12; Sl 37. 5; Ap 3. 20);
        ● Confiar nas Escrituras (Jo 5. 39; Jo 10. 35; 2 Tm 3. 16).

ü  Mostra o que Deus faz com os salvos
        O homem natural necessita de inúmeras coisas, porém nenhuma o satisfaz espiritualmente, mas a salvação em Cristo preenche todos os vazios da sua vida. Tudo isso por que:
        ● Deus o perdoa (1 Jo 1. 9; Is 1. 18);
        ● Deus o justifica (Hb 10. 16, 17);
        ● Deus o reconcilia (Rm 5. 10; 2 Co 5. 18; Ef 2. 15, 16; Cl 1. 19, 20);
        ● Torna-se filho de Deus (Jo 1. 12, 13; 3. 3; 2 Co 5. 17; Ap 21. 7);
        ● Deus habita em seu coração (Ez 36. 26, 27; Ap 3. 20; 1 Jo 3. 24);
        ● Deus o levará para morar eternamente com Ele (Ap 21. 3), Jesus anunciou isso (Jo 14. 3) e pediu isso ao Pai (Jo 17. 24).       

O EVANGELISMO COMPLETO
        Já mencionamos anteriormente o Evangelismo Pessoal e Coletivo, porém, queremos lembrar que quando evangelizamos devemos completar com o ensino bíblico, em obediência às ordenanças de Jesus (Mt 28. 19, 20). Em At 1. 1 e 28. 31 vemos a realidade da necessidade do ensino. Todo evangelista deve ter as seguintes qualidades:

ü  Conhecimento pessoal do Senhor Jesus.
        ● O exemplo de Paulo (At 22. 15);
        ● O exemplo de João (1 Jo 1. 1-3).

ü  Uma vida vitoriosa
        ● Sobre o mundo (1 Jo 5. 4);
        ● Sobre a carne (Gl 5. 24);
        ● Sobre o Diabo (1 Jo 2. 14; Tg 4. 7; 1 Co 15. 54-57).    

ü  Uma vida transformada
        ● Seu testemunho pessoal (At 16. 2; 1 Tm 3. 7, ver Sl 119. 24);
        ● O testemunho da Igreja, bem como o dos de fora (At 2. 47);
        ● O testemunho com os descrentes em casa (1 Pe 3. 1, 2);
        ● Pureza, santificação e preparação (2 Tm 2. 21, 22; ver 1 Ts 4. 3, 4);

ü  Conhecimento da Palavra de Deus
        ● Como aprovado diante de Deus, nesse sentido (2 Tm 2. 15);
        ● O apóstolo Paulo, um exemplo (2 Pe 3. 15);
        ● Usufruído por todos que desejarem (Pv 2. 10; Pv 2. 6; Dn 1. 17; 1 Co 2. 12).    











BIBLIOGRAFIA:

        FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda, Novo Aurélio Século XXI, Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 3ª Edição, 1999.
        STAMPS, Donald C, Bíblia de Estudo Pentecostal, Rio de Janeiro: CPAD, 1995.
        BERGSTEIN, Eurico, Missões, o Desafio Final; Rio de Janeiro: CPAD; 2ª Edição, 1984.
        PATE, Larry D. Missiologia; São Paulo: Editora Nova Vida.
        RAYER, Gary Luther; A Missão da Igreja; Rio de Janeiro: CPAD; 1985.
        GILBERTO, Antônio; A Prática do Evangelismo Pessoal; Rio de Janeiro: CPAD, 8ª Edição; 1997.
        BÍCEGO, Valdir; Manual de Evangelismo; Rio de Janeiro: CPAD, 11ª Edição, 2000.
        PEARLMAN, Myer; Evangelização Pessoal; São Paulo, Editora Vida, 1981.
        PAULA, Oséas Macedo de: Manual de Missões.
        OLIVEIRA, Temóteo  Ramos de; Como ser um Missionário; Rio de Janeiro: CPAD, 2ª Edição, 2000.



Prof° Gildelanio da Silva - Mestrando em Teologia
gildelanio@hotmail.com (83.8885.3936 / 9965.1398)
CASO QUEIRA COPIAR, FAVOR CITAR FONTE E AUTORIA. GRATO.

O www.projeto-mobilizacao.blogspot.com  AGRADECE SUA VISITA!

SIGA ESTE BLOG E INDIQUE A SEUS AMIGOS

 

2 comentários: