DEIXE SEU RECADO PARA O EDITOR

quarta-feira, 4 de junho de 2014

OS PURITANOS E O SEXO

O Propósito do Sexo no CasamentoLeland Kyken

Os Puritanos também tinham uma teoria totalmente desenvolvida sobre os propósitos do sexo e do casamento. O contexto mais amplo em que devemos colocar seus comentários é a tradição protestante unificada que incluía tanto anglicanos como Puritanos. Enquanto autores individuais podem modificar o esquema, a estrutura geral era uma finalidade tríplice para o casamento, ou seja, procriação, um remédio contra o pecado sexual e uma sociedade mútua.

A contribuição distintiva dos Puritanos dentro desta estrutura foi mudar a ênfase primária da procriação para o companheirismo.


A ordem adotada no Livro de Orações Comuns foi (1) a procriação de filhos, (2) a restrição e remédio do pecado, e (3) sociedade, ajuda e conforto mútuos. James Johnson escreveu um capítulo inteiro para mostrar que à medida que se desenvolveu o pensamento Puritano, o primeiro e terceiro propósitos do casamento mudaram de lugar na lista do Livro de Orações. Johnson fornece numerosas citações dos Puritanos, as quais não tenho espaço para reproduzir, mas este resumo vale a pena ponderar:

É o resultado da ênfase Puritana sobre o companheirismo no casamento que faz a primeira e última razões mudarem de lugar. Outra maneira de dizer isto é observar que os Puritanos normalmente consideram um versículo do segundo capítulo de Gênesis – “Disse mais o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea” ao invés daquele normalmente citado do primeiro: “Sede fecundos, multiplicai-vos” – para sua explicação sobre por que o casamento foi instituído por Deus em primeiro lugar.1

Na doutrina católica, a única coisa que havia salvo o sexo no casamento era a procriação de filhos. Os Puritanos discordaram. Perkins afirmou que “alguns escolásticos erram ao sustentar que a união secreta do homem e da mulher não pode ser pecado a menos que seja feita para a procriação de filhos”.2 Isto é semelhante à opinião de Milton de que:

Deus na primeira ordenação do casamento nos ensinou para que fim o fez,... para confortar e refrescar o homem contra o mal da vida solitária, não mencionando a finalidade de geração até mais tarde.3

Se a principal finalidade do sexo no casamento é a expressão de amor e companheirismo mútuos, é uma perversão do sexo reduzi-lo a um ato meramente físico. “Como podemos dois... tornar-se uma só carne legalmente”, indagou Clever, “quando existe a falta de união e conjunção do coração, a mãe verdadeira e natural de todos os deveres do casamento?”4 Perkins tinha algo semelhante em mente quando escreveu: “Nada é mais vergonhoso do que amar uma esposa como se ela fosse uma prostituta.”5 E Milton escreveu:

Embora a copulação seja considerada entre os fins do casamento, entretanto o ato em si numa correta avaliação não pode ser mais matrimonial do que é um efeito do amor conjugal. Quando o amor... Se desvanece,... o ato carnal de fato pode continuar, mas não santo, não puro, não apropriado ao sagrado laço do matrimônio, sendo quando muito nada mais que uma excreção animal.6
_________________
Transcrito do livro “Santos no Mundo”, Leland Ryken, Editora Fiel, pág 62,63
1 James Johnson, p. 114. Johnson também observa que “exaltar o companheirismo acima da procriação não significa para o Puritano que a procriação tem menos lugar no casamento. Ao contrário, de um casamento cristão se espera que produza descendentes como da vida sociável” (p. 116).
2 Christian Economy [James Johnson, p. 68].
3 The Doctrine and Discipline of Divorce [ CPW, 2:235]. Lutero havia semelhantemente escrito: “A propagação não está em nossa vontade ou poder, pois pais nenhuns são capazes de prever se eles... darão à luz um filho ou uma filha. Meu pai e minha mãe não consideraram que queriam trazer um Dr. Martinho Lutero ao mundo. A criação é de Deus somente e nós não somos capazes de percebe-la” (Tischreden [Roland Bainton, What Christianity Says About Sex, Love, and Marriage (Nova York, Association, 1957), p. 79]). Lawrence Stone, Family, conclui que “teólogos protestantes de todas as persuasões haviam há muito identificado o conforto mútuo e o apreço como duas finalidades do ato sexual no casamento” (p. 625).
4 A Godly Form of Househol Government [Schnucker, p. 302]
5 A Godly and Lesrned Exposition of Christ’s Sermon in the Mount [Schnucker, p. 360].
6 Tetrachordon [CPW, 2:608-9]

FONTE:

Nenhum comentário:

Postar um comentário